Seguidores

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Santa Maria

Cumprem-se as horas
Em circulos quase perfeitos
Neste universo
E cada quadrante
É apenas a leve pena da memória
Que o silêncio não deixa apagar

Rezam-se os pregões da vida
Nas noites brancas
Solta-se do olhar
Esse sal que fecunda o sentir
Soltando o grito da alma

E os lábios
Esse múrmurio latejando
Aos céus de breu
Poisam sobre o rochedo

E do peito
Ai do peito
O grito
O sonho
A visão
Amarras soltas
No cais da esperança
Suor de uma ladaínha
Que escapa ao gesto
Explodindo a chama deste esperar

Valha- Santa Maria
Que o tempo avança
E depois?

Depois já é tarde
Para nos aconchegarmos
Ao rosto da Paz
E sentirmos o beijo suave
Do retorno ás águas de mel

Santa Maria
Acorda-nos no cais
Antes que o corpo morno e lasso
Desça aos cumes da escuridão
Para que nela se perpétue
A eternidade do Ser.

2 comentários:

O Profeta disse...

Errantes sentires percorrem
Este corpo nu de calor
Queda-se a vontade ao vento
Neste deserto de verde amor

Ai este grito contido
É lava rubra em minha garganta
Pio de pássaro preso às penas
Uma reza a fugir de alma santa


Boas férias


Mágico beijo

Vieira Calado disse...

Assim seja!
Bom fim de semana.